Lições bíblicas

Solenidade de Todos os Santos

Jesus mostra-nos algumas pistas a percorrer e viver no nosso dia-a-dia para o alcance da nossa perfeição que são as Bem-aventuranças.

Solenidade de Todos os Santos

Aproveito esta celebração de todos os Santos, convidando aos fieis a exultarem de alegria por todos os santos e de modo particular os patronos das JMJ, para que continuem a interceder pela Igreja no mundo e de maneira particular a do Patriarcado de Lisboa, palco deste evento mundial. Trata-se dos intercessores: Santo António de Lisboa, São João Paulo II, São João Bosco, São Vicente, São Bartolomeu dos Mártires, São João de Brito, Beata Joana de Portugal, Beato João Fernandes, Beata Maria Clara do Menino Jesus, Beato Pedro Jorge Frassati, Beato Marcel Callo, Beata Chiara Badano e Beato Carlo Acutis. O evangelho deste dia apresenta o itinerário completo para o alcance da felicidade eterna que é a nossa santificação. Este itinerário foi feito por homens como nós que apesar das suas fragilidades e limitações conseguiram trilhar nos caminhos da perfeição. Este caminho percorrido por todos os santos não é um caminho extraterrestre, fora do nosso alcance, mas, sim um caminho construído no dia-a-dia por pequenos gestos.

Os patronos das JMJ são exemplos claro da construção do reino de Deus e da nossa santidade, isto é, a partir do que somos, do que vivemos e testemunhamos, do que descobrimos como sinal de perfeição e transmitimos. O Jovem beato Carlo Acutis construiu a sua santidade através dos meios de comunicação social, que hoje estão disponíveis para todos, divulgando os conteúdos de formação cristã, como a exposição sobre os milagres eucarísticos. O bom uso dos meios conduz à santidade.

O evangelho, mais uma vez, convida-nos a viver as Bem-aventuranças, que é o Cartão de cidadão de todo o cristão, com estes apelos a nos identificarmos e testemunharmos visivelmente o nosso desejo de perfeição de vida. Quem de nós não deseja ser feliz/perfeito? Quem não procura por todos os meios, a felicidade dos seus filhos e familiares/confrades? Este desejo não brota do homem, mas sim do Criador que é Deus. Deus deseja a felicidade de toda criatura. Contudo, Jesus mostra-nos algumas pistas a percorrer e viver no nosso dia-a-dia para o alcance da nossa perfeição que são as Bem-aventuranças:

1. Ser pobre em espírito: são pobres todos os que precisam de Deus e dos irmãos, são os que esvaziam constantemente o seu coração e a sua mente, de tudo o que é egoísmo, vangloria, inveja, riquezas e colocam neles os valores do reino. Deus em primeiro lugar e todo o resto virá como graça. O pobre é humilde como a criança porque depende de quem o ajuda. A Santa Teresa de Calcutá dedicou-se inteiramente à causa dos mais pobres, no seu campo de missão. Vendo a delicadeza com que ela tratava os doentes e necessitados, um jornalista disse-lhe: Madre, eu não faria isso nem por um milhão de dólares, ao que ela respondeu: Eu também não o faço por um milhão de dólares; faço por amor a Jesus. Esta é uma clara evidência que o amor de Deus impele os homens, pois num mundo de consumismo isto é uma loucura.

2. Os que tem fome e sede de justiça: aqueles que precisam da palavra de Deus, dos irmãos... não quer dizer que sejam pessoas infelizes e limitados no materialismo, são todos os homens que tem sede de Deus vivo, da sua palavra e lutam constantemente na construção do um mundo novo. Um mundo de Justiça e Paz.

3. Os que choram: diz o evangelho que são felizes porque serão consolados no reino de Deus, um reino não distante, mas perto de nós. Hoje precisamos de chorar, para estarmos perto dos sofrimentos do mundo, para manifestarmos a nossa sensibilidade e amor. No reino dos céus serremos consolados pelo amor de Deus.

4. Os que sofrem perseguição por amor de Deus: os Patronos das JMJ são os exemplos vivos deste sofrimento terreno por causa do evangelho. Recordemos São João Paulo II, que no meio de todos os sofrimentos e debilidades carregou a cruz pontifical até o último suspiro. Recordemos São Vicente, diácono e mártir, que por amor a Cristo, num contexto de perseguição aos cristãos, foi preso e morreu na prisão por amor a Cristo. Recordemos Beato João Fernandes que pelo amor a cristo e a missionação foi atacado pelos piratas numa embarcação rumo ao Brasil; e todas as entradas dos santos e mártires que a Igreja a presenta. Todo o nosso sofrimento por Cristo tem um preço e prémio: a felicidade eterna.

Irmão, nascemos santos, inocentes, mas a sociedade nos corrompe e aí iniciamos um caminho de perfeição. Só quem luta para fazer o bem é que será santo. Boa luta.

Pe. César Adriano, CM