Lições bíblicas

III Domingo do Tempo Comum

Anunciar e proclamar são partes essenciais do conhecimento da Boa Nova “Jesus Cristo”, por isso, a liturgia deste III domingo do tempo comum coloca-nos a Palavra de Deus como centro da nossa vida, porque essa Palavra é o Verbo e o Verbo é Deus na pessoa de Jesus Cristo.

III Domingo do Tempo Comum

Anunciar e proclamar são partes essenciais do conhecimento da Boa Nova “Jesus Cristo”, por isso, a liturgia deste III domingo do tempo comum coloca-nos a Palavra de Deus como centro da nossa vida, porque essa Palavra é o Verbo e o Verbo é Deus na pessoa de Jesus Cristo. A Palavra é verdadeiramente o centro à volta do qual se constrói a experiência cristã.

Na carta Apostólica Misericórdia et Misera (MM), o Papa Francisco afirma : “ é meu vivo desejo que a Palavra de Deus seja cada vez mais celebrada, conhecida e difundida, para que possa, através dela, compreender melhor o mistérios de amor que dimana daquela fonte de misericórdia... Seria conveniente que cada comunidade pudesse, num domingo do ano litúrgico, renovar o compromisso em prol da difusão, conhecimento e aprofundamento da Sagrada Escritura, para compreender a riqueza inesgotável que provém daquele diálogo constante de Deus com o seu Povo” (MM 7).

Na carta aos Hebreus é definida a Palavra de Deus de uma forma simpática e profunda: “Ela é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; Ela penetra até o ponto de dividir a alma e o espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4,12). Por isso, o conhecimento e vivência da Palavra de Deus é essencial na nossa vida, Ela nos direciona ao Espírito de Deus e transforma a nossa vida na caridade.

Na primeira leitura, no tempo de Esdras, quando os israelitas retornaram da Babilonia, o povo emociona-se e chora ao escutar as palavras da lei do Senhor e isso, exemplifica como a Palavra deve estar no centro da vida individual e comunitária, e como ela, uma vez proclamada, é geradora de alegria, conforto e festa no seio daqueles que dela se alimentam. Por isso, todos, homens, mulheres e crianças em idade de compreender são convocados todos os dias a ler, meditar e viver da palavra. Muitas vezes nas leituras e homilias vemos a resposta do povo, uns confrontados com a Palavra, choram, outros meditam. Verificamos uma atitude que revela, certamente, o efeito penetrante no coração dos fiéis, ela interpela e converte. Deste modo, a segunda leitura movida por esta Palavra que interpela, converte e liberta, Ela aconselha a união das famílias, onde os dons que Deus oferece a cada um devem ser repartidos e postos ao serviço de todos, numa verdadeira comunhão e solidariedade.

“O Espírito do Senhor esta sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a boa nova aos Pobres. Ele me enviou a proclamar a redenção aos cativos, e a dar vista aos cegos...” Lc 4, 16-18.

No evangelho são Lucas, apresenta-nos Cristo como a Palavra que se faz pessoa no meio dos homens, a fim de levar a libertação e a esperança às vítimas de opressão, do sofrimento e da miséria. Esta ação de Jesus é movida pela força do espírito, uma força que permite a Jesus anunciar, proclamar e agir no meio dos mais necessitados. Jesus em palavras e ações manifesta a sua graça, benevolência e o amor de Deus para os homens.
Por isso, somos hoje chamados a estarmos de olhos fixos em Jesus para podermos N`Ele encontrar caminhos e centralizar a nossa vida. Que as palavras e ações de Jesus transformem a cada homem em verdadeiro discípulo, comprometido na promoção da vida em todas as dimensões.

Que neste período que somos convocados à Sinodalidade “caminhar juntos”, abramos o nosso coração para escutar a voz do Espírito Santo e seguir aquela voz que não conhece fronteiras, a voz que torna todos (Profetas, atores, promotores...), povo de Deus... chamados a participar vivamente nos ministérios da Igreja, principalmente na Eucaristia fonte da vida cristã e onde se renova o sacrifico de Cristo.

Que São Vicente de Paulo, nosso fundador, que viveu movido pelo mesmo espírito de Jesus seu Mestre, interceda por nós, para que tornemos vivo este precioso carisma de viver e entregar a nossa vida ao serviço dos mais necessitados. Que procuremos todos os dias movidos pelo Espírito Santo e pela Palavra renovar e fortalecer no nosso campo de ação e que sejamos capazes de assumir e criar novos campos de ação e evangelização.

Pe. César Adriano, CM