Lições bíblicas

III Domingo de Advento

Este Domingo coloca diante de nós a figura de João Batista. Ele assume como missão preparar o povo para a vinda do Messias e anunciar a sua chegada iminente.

III Domingo de Advento

1. «Alegrai-vos sempre no Senhor. Novamente vos digo: alegrai-vos» - Estamos no 3.º Domingo do Advento, e vamo-nos aproximando cada vez mais desse dia bendito em que celebramos a vinda do nosso Deus encarnado no seu Filho, Jesus Cristo. Por isso, toda a liturgia nos estimula a tomar consciência de que o Senhor está próximo, para nos irmos preparando para acolher o Salvador.
Aliás, já antes, o profeta Sofonias convidava o seu povo à alegria, pela salvação de Deus: “Clama, solta brados de alegria, exulta, rejubila”. E é um sem fim de vocábulos que convidam Israel a tomar consciência de ser povo salvo, porque “ o Senhor está no meio de ti, como poderoso salvador”, e até Ele mesmo “exulta de alegria por tua causa”. Quem está consciente da presença de Deus em si próprio e na humanidade inteira, vive uma vida cheia de esperança, e nunca perde a confiança de que Deus, hoje, continua a sua ação salvadora.

É verdade que nós, os cristãos, nem sempre somos capazes de viver e partilhar esta alegria com os outros. E hoje não falta gente que precisa, que vive angustiada, inquieta, com medo e insegurança perante esta pandemia que nos aflige, ou por causa de outros males e problemas do foro mais pessoal. E espera de nós, como Igreja, uma vida coerente com a mensagem do Evangelho, pois Jesus torna-se presente na pessoa de quem O espera, O acolhe e O aceita como Luz iluminadora que dá sentido à sua vida. Alegremo-nos, pois, porque Jesus está mesmo à porta e só espera que lhe abramos o coração: estamos preparados?

2. “Que devemos fazer?”- Este Domingo coloca diante de nós a figura de João Batista. Ele assume como missão preparar o povo para a vinda do Messias e anunciar a sua chegada iminente. Chama o povo e atrai multidões pela maneira austera como se veste, se alimenta, o lugar onde vive, pelo apelo urgente que faz à conversão, pela mensagem que anuncia: “Eu batizo-vos com água, mas está a chegar quem é mais forte do que eu… Ele batizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo”. E assim, “João anunciava ao povo a Boa Nova”.

Às três perguntas sobre o que se deve fazer, ele responde de maneira simples e concreta para cada caso, e que podemos resumir deste modo: ama, ajuda os outros, reparte com que não tem o que tens e o que te sobra, sê justo, faz bem o que tens a fazer, respeita a todos, sem manipular, coagir nem violentar ninguém.
Mas esta mesma pergunta é necessário que a façamos hoje a nós próprios, e que a façamos também a Jesus, pois é no diálogo pessoal e sincero com Ele que encontraremos a resposta adequada: que “eira” precisamos ainda de limpar, que “trigo” precisamos de recolher, que “palha” precisamos de queimar, para que o Natal não seja uma mera festa exterior, mas antes a transformação do coração. E assim todos possam participar na verdadeira alegria, e a fé dos cristãos seja mais credível nesta sociedade em que nós vivemos.

Pe. José Carlos, CM