Lições bíblicas

Epifania do Senhor

Epifania quer dizer manifestação, revelação, por meio de um qualquer acontecimento. Esta catequese dominical vai ser a resposta a três perguntas: revelação de quem? a quem? como?

Epifania do Senhor

Esta solenidade litúrgica, popularmente conhecida como Festa dos Reis ou Dia de Reis, é celebrada universalmente no dia 6 de Janeiro; em Portugal, por não ser feriado, é transferida para o domingo seguinte ou o mais próximo. O fundamento desta celebração é o episódio dos três magos que, guiados por um astro, foram a Belém adorar o Menino Jesus.

Epifania quer dizer manifestação, revelação, por meio de um qualquer acontecimento. Esta catequese dominical vai ser a resposta a três perguntas: revelação de quem? a quem? como?

1. Manifestação de quem? Biblicamente as teofanias são revelações de Deus, geralmente por meio de fenómenos atmosféricos. Nesta solenidade, a manifestação de Deus é feita aos magos por meio de um astro. Quem se revela é Deus, é o Senhor: esperava-se o Messias, o enviado de Deus, o astro que havia de brilhar, o salvador e libertador, que entrasse em ação para salvar o seu povo politicamente, socialmente e religiosamente. Este Deus é Jesus de Nazaré, o Deus feito homem como nós, o Verbo de Deus que se fez carne e habitou entre nós: pobre, humilde, sofredor. Ele é a Luz que alguns aceitam, outros recusam. É este o Deus que se revela e vem a mim: eu recebo, aceito e sigo este Senhor Deus feito homem por meu amor.

2. Manifestação a quem? Já não é ao seu povo, mas aos gentios, aos pagãos, representados pelos três magos: nós pertencemos a este grupo. Os judeus pensavam que o Messias viria só para eles. Diferentes eram e são os desígnios de Deus: a Luz vem para todos, a salvação é (primeiro) para o seu povo e para todos os povos – é universal. A Sagrada Escritura falava em reis que viriam do oriente com presentes. Deus dá e dá-se: nós recebemos a oferta e damos a nossa adesão, aceitando-o na nossa vida. Os magos oferecem incenso (Deus), ouro (rei) e mirra (homem): é um ato de fé, são três temas para uma cristologia profunda e completa. Quem se revela é Jesus: filho de Deus, homem como nós, revestido de poder.
Para chegarem aqui, os magos tiveram de vencer obstáculos. Animava-os a força e a luz de uma fé precoce e a alegria de chegarem ao fim. Chegados a Jerusalém, a estrela desapareceu. Eles não desanimam e vão procurar e obter informações junto de quem os poderia ajudar: Herodes e os seus sábios. E novamente o astro resplandeceu.

3. Manifestação como? Dá que pensar e perguntar porque é que Deus se manifesta diretamente a uns e a outros não. Deus fala com Abraão, com Moisés, com Elias… Noutras situações o mesmo Deus intervém por intermediários, mensageiros e outros. Isto acontece por meio de pessoas, de acontecimentos, de sinais ou símbolos. À virgem Maria Deus enviou um mensageiro: o anjo Gabriel. Aos magos manifesta-se por uma estrela e pelos entendidos nas Escrituras (em Jerusalém) que os guiam até Belém; por último aparece-lhes como criancinha. Eles, iluminados por uma luz interior, rendem-se ao Deus e Senhor que os chamou e conduziu, num percurso de fé e procura, com final muito feliz.

Deus manifesta-se a mim e por mim: já dei conta disso? Tenho de estar aberto e atento ao Deus que me interpela e ao Deus que quer servir-se de mim para se revelar aos outros e ao mundo.

Pe. Carlos Moura, CM