FAMÍLIA VICENTINA: ENCONTRO NA MADEIRA

António Clemente

30 de maio de 2021

O encontro, que decorreu na parte da tarde desse dia, no Hospício Princesa Dona Maria Amélia, no Funchal, reuniu 35 vicentinos representantes dos oito Ramos dos filhos e filhas de São Vicente de Paulo presentes na diocese

No dia 29 de maio, concretizou-se um objetivo que o nosso Visitador, Padre Nélio Pita, tinha há algum tempo: reunir com os representantes dos vários Ramos da Família Vicentina presentes na Madeira. O encontro, que decorreu na parte da tarde desse dia, no Hospício Princesa Dona Maria Amélia, no Funchal, reuniu 35 vicentinos representantes dos oito Ramos dos filhos e filhas de São Vicente de Paulo presentes na diocese: padres da Congregação da Missão, irmãs da Companhia das Filhas da Caridade, Associação Internacional da Caridade, Associação da Medalha Milagrosa, Colaboradores da Missão Vicentina, Associação das Filhas de Maria, Sociedade de São Vicente de Paulo e alguns jovens que estão a ser acompanhados pela Juventude Mariana Vicentina. Devido ao amplo espaço, foram cumpridas todas as regras de distanciamento e higienização, conforme determinado pelas autoridades de saúde.

O principal objetivo do encontro era promover a partilha e o conhecimento mútuo dos vários Ramos, de forma a que venha a ser possível o reforço da ação conjunta, sempre em favor dos nossos irmãos mais frágeis, os pobres, aqueles que são os preferidos de Jesus. Os vários representantes começaram por se apresentar, depois descreveram a origem do Ramo a que pertencem e partilharam como encarnam, na sua vida, a espiritualidade vicentina. Um a um, todos os irmãos – provenientes de diferentes paróquias da ilha da Madeira – abriram o seu coração, tendo expressado a alegria de viver em Cristo e a vontade de intensificar a colaboração vicentina. No final da partilha, o Padre Nélio dirigiu a todos algumas palavras, recordando a história da presença vicentina na Madeira, destacando a ligação desta família ao Hospício – o centro nevrálgico vicentino da ilha –, a importância do trabalho dos vicentinos nesta diocese (que em muito contribuiu para a atual vivência da espiritualidade cristã de muitas comunidades) e a grande dimensão da nossa família, presente em quase toda a ilha, com uma importante ação, quer através dos Ramos mais ativos, quer pelos Ramos mais dedicados à contemplação.

Após a partilha, celebrámos em conjunto a Eucaristia vespertina do Domingo da Santíssima Trindade na capela do Externato Princesa Dona Maria Amélia, presidida pelo Padre João Maria, numa celebração bem festiva e bastante participada por todos, na qual todos colaboraram. Na homilia, o Padre Nélio destacou a herança que trazemos connosco, a herança de filhos de Deus, conduzidos pelo Espírito Santo. Um Espírito que nos vivifica e nos envia em missão, em especial, junto dos mais pobres.

Devido às atuais circunstâncias da pandemia não foi possível ter o habitual lanche partilhado com as iguarias da Madeira levadas por cada um, mas, mesmo assim, foi possível ter um café ou sumo, acompanhado por “miminhos” doces individualmente embalados. No final, foi anunciada a perspetiva de um encontro com todos os membros da Família Vicentina da Madeira (e já não apenas com alguns representantes) para perto do Dia de São Vicente de Paulo deste ano, se a evolução da situação pandémica o permitir.

A Família Vicentina na Madeira está bem viva e totalmente aberta ao sopro do Espírito, pronta para, no período pós-pandemia, revitalizar a vivência do carisma vicentino na diocese do Funchal.