Mulher com a Bíblia

REFLEXÃO DOMINICAL

XXII DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A

Ser cristão é difícil

Carlos Moura

Padre Vicentino

Aos domingos não é fácil encontrar um fio condutor que seja comum às três leituras. Neste domingo isso é possível, sem forçarmos os textos. Vejamos as três leituras com esta ideia central: Servir a Deus, ser cristão não é fácil. 

 

1. Jeremias: o profeta devia falar em nome de Deus. A sua missão obrigava-o a denunciar a mentira e a falsidade, a pôr o dedo nas feridas. Por causa disso, era objecto de escárnio, ouviu o que ninguém gosta de ouvir e chegou a ser preso.
Confrontado com a tentação de desistir, Jeremias sentia o coração a arder de zelo e paixão pelo Deus a quem amava e servia.

 

2. S.Paulo pensa e sente da mesma maneira. Na segunda leitura, Paulo aconselha-nos a fazer a oferta de nós mesmos, como sacrifício. Há muitos sacrifícios e promessas que fazemos; mas o melhor é sacrificarmo-nos a nós mesmos. Não devemos conformar-nos com o mundo: isto implica ir contra a corrente, fazer a diferença, resistir e às vezes atacar, não deixar perder a força do sal e do fermento… Quantas lutas, quantos sacrifícios!
O exemplo da vida de S.Paulo é um livro aberto a confirmar esta sua doutrina: dificuldades e perigos de fora e de dentro, no mar e em terra, até dos falsos irmãos.

 

3. Jesus. A linguagem de Jesus no evangelho de hoje parece desajustada aos nossos tempos: aceitar um Messias sofredor, renunciar a si mesmo (ao homem velho), tomar a cruz… São condições que parecem antiquadas para o nosso mundo de liberdade e autonomia, de facilitismos e comodismos, de defesa acérrima de direitos, liberdades e garantias. Falar de sofrimento, de cruz, de renúncia (ao mal e até ao bem na busca de um bem maior) é arriscado. Já chega e sobra o martírio que nos trouxe o Covid 19. 

 

A linguagem de Jesus é profética, divina e séria para o discípulo. O Senhor Jesus não receia, com isto, perder discípulos, que já são ou poderiam ser. Assim aconteceu quando falou de comer a sua carne: muitos discípulos deixaram de andar com Ele. Coisa semelhante se passou quando Jesus falou do divórcio e do adultério: nem todos compreendem esta linguagem; quem entender, entenda. O Senhor Jesus sabe o risco que corre quando a verdade não tem contestação, não se pode nem deve mitigar ou branquear. Isto é mesmo assim: o Messias tem de sofrer (e sofreu); quem quiser seguir-me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz (entregue a sua vida) e siga-me. Isto é só para quem quiser seguir Jesus. Não é fácil ser cristão: é para quem quer. 

 

Pode ser mais fácil seguir outros mestres e líderes; pode ser mais cómodo andar por outros caminhos. Também podemos pensar que é melhor caminhar sozinho e não com Jesus: puro engano! Andar com Jesus é ter a felicidade consigo, mas não a facilidade.
Tudo isto não invalida o que Jesus diz noutras ocasiões: conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros; o meu jugo é suave e a minha carga é leve.

 

Conclusão: não é fácil seguir Jesus: é para quem quer.

Voltar a Reflexão Dominical Ano A | Ano B | Ano C

SOBRE NÓS

S. Vicente de Paulo, o santo da Caridade, é o fundador da Congregação da Missão. Presentes em todo o mundo, estamos em Portugal desde 1717. Talvez nos conheça como Padres Vicentinos, Lazaristas ou Padres da Missão.

LOCALIZAÇÃO

(+351) 213 422 102 | 217 263 370

 

Estrada da Luz, 112-1º

1600 - 162 Lisboa

 

comunicacaoppcm@gmail.com 

CONTACTE-NOS
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
APONTADORES

© 2020 por Província Portuguesa da Congregação da Missão.