Laudato Si: uma encíclica missionária?

09 de Julho de 2020, por RICARDO CUNHA

Bruno Cunha

Inês Espada Vieira

João Pires Silva

Luciano Ferreira

Mafalda Guia

Artigos

Manuel Guedes

Miguel Carvalho

Nélio Pita

Pedro Guimarães

Ricardo Cunha

Suzana Ferreira

Assinala-se neste ano atípico de 2020 o quinto aniversário da encíclica do Papa Francisco Laudato Si’ – sobre o cuidado da Casa Comum. Este documento, com cunho ecológico, é uma chamada de atenção para a crise humana, social e ambiental que temos entre mãos e desafia-nos a todos a cuidar da nossa Casa Comum, o planeta terra. Laudato Si é uma marca histórica da Igreja no século XXI, quer pela sua aceitação no mundo da cultura e da ciência, quer pelo seu impacto sem precedentes na 21ª Conferência das Nações Unidas do Clima de Paris 2015 (COP21), onde o documento foi citado por dez líderes mundiais. 
 

Dado o seu impacto, este documento do Magistério da Igreja adquire por si só o “estatuto” de missionário porque dá a conhecer ao mundo Jesus Cristo e anuncia o Seu Evangelho. 
 

A consciência da ampla aceitação da encíclica nas elites culturais e políticas por todo o mundo cumpre, a partir das virtudes vicentinas da simplicidade, humildade e mortificação, o seu caráter universal: dirige-se a todos os homens de boa vontade, sejam ricos ou pobres, já que ninguém está excluído desta interpelação a agir.
 

A opção preferencial pelos mais pobres que nos desafia o Papa Francisco é também o desafio de S. Vicente de Paulo. Cada um, no seu tempo e na sua realidade, percebeu a centralidade dos pobres no Evangelho de Cristo e a necessidade de ir ao seu encontro como Missão da Igreja. O Papa não se esquece que os pobres são os que mais sofrem com as consequências das alterações climáticas e que por isso se veem muitas vezes obrigados a fugir das suas casas em busca de terras férteis e alimentação. São também os pobres os causadores de problemas ambientais porque muitas vezes não têm os meios e o capital humano necessários para fazer face aos problemas ambientais. Por outro lado, esta encíclica relembra que os ricos consomem mais recursos do que aqueles que precisam e mantêm padrões de vida ambientalmente insustentáveis. Esta consciência da interdependência humana na luta pelo cuidado da casa comum está alicerçada no amor à humanidade. Não um amor enquanto palavra cheia e ao mesmo tempo vazia, mas a partir da marca cristã do amor, a sua concretude, onde através de ações concretas que são simultaneamente expressão do amor de Deus, que sustenta a dignidade e fraternidade humanas e a razão fundamental de toda a criação, somos interpelados ao serviço do Bem Comum, a sair do nosso egoísmo e a colaborar na construção da Civilização do Amor, alicerçada no reconhecimento da dignidade humana e no destino universal dos bens, na promoção da paz e da vida e no perdão como condição indispensável.

 

Ricardo Cunha

SOBRE NÓS

S. Vicente de Paulo, o santo da Caridade, é o fundador da Congregação da Missão. Presentes em todo o mundo, estamos em Portugal desde 1717. Talvez nos conheça como Padres Vicentinos, Lazaristas ou Padres da Missão.

LOCALIZAÇÃO

(+351) 213 422 102 | 217 263 370

 

Estrada da Luz, 112-1º

1600 - 162 Lisboa

 

comunicacaoppcm@gmail.com 

CONTACTE-NOS
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
APONTADORES

© 2020 por Província Portuguesa da Congregação da Missão.